Dossiê do Dia Nacional da Visibilidade Lésbica: 10 conteúdos inspiradores
Por Jasmine Lira

No dia 29 de agosto, comemora-se o Dia Nacional da Visibilidade Lésbica, que tem como origem o 1º Seminário Nacional de Lésbicas (realizado em 1996). E pra celebrar o orgulho de ser uma mulher que ama mulheres é que preparamos esse dossiê de conteúdos inspiradores, contendo vídeos, músicas, obras de arte, livros e afins. Vem com a gente!

1. Hanna Gadsby: Nanette (stand up comedy sapatão)

A Hanna Gadsby causa até um alívio e um quentinho no coração com sua sinceridade, embora seja muitas vezes ácida, por seu ressentimento em ser tão marginalizada pela sociedade ao longo de sua vida. Nesse stand up comedy inovador, a comediante australiana faz importantes confissões sobre ser uma mulher lésbica numa sociedade intolerante, saúde mental e as dificuldades em fazer arte. Pra rir e chorar e se inspirar na força de Hanna.

Cena do filme Hanna Gadsby: Nanette (2018)
Cena do filme Hanna Gadsby: Nanette (2018)

Plus: Tem na Netflix! Corre lá!

2. Um Útero é do Tamanho de Um Punho, da Angélica Freitas (livro de poesias)

Lançado em 2012, o livro da gaúcha lésbica Angélica Freitas traz ironia sobre os costumes sociais, o cotidiano e as pequenas incertezas. Tudo isso trazendo a mulher como protagonista, e em muitas das vezes retratando também o amor lésbico.

Capa do livro Um Útero é do Tamanho de um Punho, de Angélica Freitas
Capa do livro Um Útero é do Tamanho de um Punho, de Angélica Freitas

Onde adquirir: Você pode encontrá-lo facilmente em algumas das mais conhecidas livrarias físicas ou online. Na Amazon, sua versão digital da última edição (de 2017) está custando a bagatela de R$ 16,90! A versão física não fica por muito mais, saindo por apenas R$ 17,85. Vale a aquisição!

3. Como é bom ser lésbica, da Musa Híbrida (música)

O título fala por si só, e I see vaginas everywhere! Dá um play!

https://pwrrecords.bandcamp.com/track/como-bom-ser-l-sbica

Capa do EP Piscinas Vazias Iluminadas em Pé, da Musa Híbrida
Capa do EP Piscinas Vazias Iluminadas em Pé, da Musa Híbrida, que contém a faixa “Como ´É Bom Ser Lésbica”

4. Velcro/VLKR (ilustradora)

A Velcro (ou VLKR) é uma ilustradora incrível que fala sobre orgulho sapatão e feminismo em desenhos divertidos com legendas dignas de compartilhar e também botar na parede de casa.

Aliás, ela tem até uma lojinha online em que você pode adquirir adesivos, prints e cartões! Que tal aproveitar esse Dia Nacional da Visibilidade Lésbica para apoiar uma artista sapatão?

Ilustração da Velcro (VLKR) no Instagram
Ilustração da Velcro (VLKR) no Instagram
Ilustração da Velcro (VLKR) no Instagram

5. Cultura Livre: Maria Beraldo (apresentação ao vivo)

A Maria Beraldo é uma musicista e compositora lésbica talentosíssima e bastante desafiadora. A artista que hoje é instrumentista da banda de Arrigo Barnabé lançou no ano passado seu primeiro álbum solo (Cavala) e foi convidada a tocá-lo no programa Cultura Livre. Na apresentação, ela conta um pouquinho sobre sua experiência compondo, que está muito ligada à sua afirmação e descoberta como uma mulher lésbica. As canções são inventivas e poderosas.

Confere aí!

Vídeo completo de Maria Beraldo no programa Cultura Livre

6. O que é lesbianismo, da Tânia Navarro-Swain (livro)

Afinal, o que é ser lésbica? Quem são as lésbicas? Qual a sua história? O livro da Tânia Navarro Swain, lançado em 2000, busca trazer respostas para algumas dessas perguntas. Leitura obrigatória para todas as sapatonas!

"O que é lesbianismo", livro de Tânia Navarro-Swain (2000)
“O que é lesbianismo”, livro de Tânia Navarro-Swain (2000)

Onde encontrar: O livro pode ser mais facilmente encontrado em sebos físicos ou virtuais. Na estante virtual (famoso sebo online), ele pode ser adquirido por apenas R$ 10,00!

7. Go Fish (filme)

Divertidíssimo e de fácil identificação para a maior parte das mulheres lésbicas, Go Fish (de tradução para portugês O Par Perfeito) é um filme de 1994 que gira em torno das questões de um grupo de amigas lésbicas na década de 90. Fala de esteriótipos, identidade, relacionamentos, e outras inquietações do universo lésbico. É a comédia romântica que todas nós merecemos.

Capa de Go Fish, filme de Rose Troche (1994)
Capa de Go Fish, filme de Rose Troche (1994)

Onde ver esse grande achado sapatão: O filme da Rose Troche pode ser adquirido no site da Amazon (alugado ou comprado), mas as legendas estão em inglês. Pra quem não for fluente ou simplesmente preferir ver com legendas em português, o filme não é difícil de se encontrar na internet para ser baixado. No entanto, preferimos que você apoie a artista sapatão também monetariamente, se possível! 🙂

8. Sapatão Nas Arte (página)

Uma grande divulgadora de artes sapatônicas, a página Sapatão Nas Arte é uma incrível reunião de trabalhos lésbicos primorosos e diversos entre si. Vale para conhecer ainda mais conteúdos interessantes fora dessa lista e até mesmo para adquirir dicas sobre assuntos da militância lésbica.

Ilustração de Gisel Fragoso na página Sapatão Nas Arte
Ilustração de Gisel Fragoso na página Sapatão Nas Arte

9. Autostraddle (portal)

O Autostraddle é um portal super bacana para mulheres que amam mulheres (inclusive, ele venceu por três anos consecutivos o GLAAD (um prêmio de mídia pró LGBT) na categoria de melhor blog)). Com textos diversos, o site é uma boa pedida para navegar nesse Dia Nacional da Visibilidade Lésbica. Tem conteúdos de entretenimento, comportamento e política para todas as mulheres lésbicas e bissexuais. É tanta coisa legal que dá pra se perder dentro do site. Por isso, indicamos começar pela lista de 100 melhores filmes lésbicos, bissexuais e queer de acordo com a própria Autostraddle.

Portal Autostraddle

10. Fun Home: Uma tragicomédia em família, de Alison Bechdel (quadrinho)

E pra fechar com cadarço (do sapatão) de ouro, fica a dica do quadrinho de Alison Bechdel (a autora que inspirou o chamado teste de Bechdel), que trata da história da própria quadrinista, sua descoberta como lésbica e a complicada relação com o pai.

Fun Home: Uma Tragicomédia em Família, quadrinho de Alison Bechdel (2006)
Fun Home: Uma Tragicomédia em Família, quadrinho de Alison Bechdel (2006)

E aí, gostou? Você tem mais dicas bacanas de conteúdos para lésbicas para esse dia tão especial? Manda pra gente! 😉

Extra: Que tal ajudar a gente a ter o maior acervo LGBTI do Brasil? Contribua já com a Vakinha do CEDOC!

Quer receber novidades
do universo LGBT?


Gostou desse post? Então compartilhe!


Você vai achar isso mara:


Bota a cara no sol:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *